Pular para o conteúdo principal

Postagens

A Fera (Beast, 2017)

  A Fera   é um suspense psicológico  britânico  com uma carga dramática impressionante. A história se desenvolve lentamente, dando espaço para conhecer profundamente os personagens centrais. Conta a história de  Moll, uma jovem estranha que trabalha  como guia turística e nas horas de folga cuida de seu pai. Durante sua festa de aniversário, um incidente a deixa irritada e ela vai para um clube de dança onde conhece  Pascall, um rapaz suspeito de assassinatos. Eles iniciam um relacionamento conturbado que trará trágicas consequências para ambos. Moll é uma mulher atormentada por pesadelos que a conduz ao passado ao mesmo tempo que a coloca no presente; Pascall é um rapaz misterioso que esconde segredos terríveis. Quando esses dois personagens emblemáticos se encontram, surge um romance sombrio com toques de insanidade. Sem dúvida foi um achado surpreendente. Uma história diferente e perturbadora. Enquanto assistia me sentia numa montanha-russa de sensações e emoções. Não imaginava com

A Tentação (Perfetta Illusione, 2022)

  A Tentação é um drama italiano pouco conhecido e, por isso comecei a assistir sem nenhuma expectativa e acabei surpreendida. O enredo instigante nos convida a refletir sobre ganância e suas consequências. Conta a história de Toni, um jovem em ascensão no emprego, casado com Paola. O casal sonha alto, porém, Toni vê seus planos arruinados quando recebe uma carta de demissão. Surge em sua vida Chiara, uma jovem curadora de arte que lhe oferece um emprego em uma galeria de artes. Ao aceitar, Toni vê sua sua carreira deslanchar e sua vida desmoronar. A história não é original, já assisti dezenas de outros filmes com enredos parecidos, ainda assim gostei do que vi. Os personagens ambíguos com diálogos emblemáticos foram o diferencial. Ninguém é santo, em algum momento da trama a sordidez de cada um virá à tona. O desfecho foi arrebatador. Para conhecer o filme acesse o  IMDb Giuseppe Maggio e Margherita Vicario

Os Estranhos: Capítulo 1 (The Strangers: Chapter 1, 2024)

  Os Estranhos: Capítulo 1 deixou muito a desejar na minha opinião. O filme inteiro é praticamente uma cópia desleixada do original. Conta a história de um jovem casal que acaba sendo obrigado a pernoitar em uma casa de Airbnb no meio da floresta. Quando a noite chega, eles são assombrados e perseguidos por três mascarados dispostos a tornar a vida do casal um verdadeiro inferno. Quando li a sinopse tive a impressão que seria um terror à moda antiga, com vários sustos e boa dose de tensão. No entanto, todo o clima tenso e pesaroso de Os Estranhos (2008) simplesmente desapareceu nesse remake. O roteiro segue à risca o material de origem e, em vez de adicionar novos elementos à trama, consegue perder os acertos do original, tornando-se um remake decepcionante.   É clichê encima de clichê. Nada funciona. Personagens genéricos, diálogos cafonas, sustos previsíveis, pistas irrelevantes, notas musicais sem sentido... É só uma cópia malfeita, nada mais. E, vai ter mais duas sequências. Para

Persuasão (Persuasion, 2022)

  Persuasão  é um drama romântico que tenta modernizar uma história escrita em 1818, mas em vez de dar um frescor revigorante à obra, conseguiram transformá-la em um filme esquecível. Entendo que às vezes é necessário fazer algumas modificações, porém, acredito que seja errado reescrever um clássico de Jane Austen da forma como foi feito aqui. Por exemplo, a personagem Anne, no livro é uma mulher melancólica e até amarga às vezes; no filme ela é engraçada e viciada em vinho. A quebra da quarta parede também não funcionou, Anne passar o filme todo conversando com o público é entediante. A abordagem multifacetada funcionou em  Bridgerton  porque a série tem um bom roteiro e os personagens foram bem desenvolvidos, já neste filme tudo é jogado superficialmente e misturado sem o menor cuidado. Não vou listar todos os pontos do filme que não gostei, mas quase desisti de assistir antes da metade. Para conhecer o filme acesse o  IMDb Dakota Johnson e Cosmo Jarvis

A Morte Te Dá Parabéns (Happy Death Day, 2017)

 Antes de assistir  A Morte Te Dá Parabéns  pensei que seria só mais um filme de terror como tantos outros lançados todos os anos, mas para minha surpresa o que vi foi uma comédia com toques de mistério e isso não me desapontou, pelo contrário, foi umas experiência bastante divertida. O enredo traz elementos típicos dos filmes de terror B e personagens bastante estereotipados com o único intuito de divertir o público. A mistura do loop temporal com humor negro não é uma ideia original, não há grandes momentos nem reviravoltas mirabolantes, também não é um filme de terror como foi vendido pelos produtores. O que vemos é uma produção multifacetada feita para agradar todos os públicos. Não é original, mas o humor cativante e a curiosidade em descobrir quem é o assassino consegue entreter sem ser cansativo.  O filme também faz uma referência explícita ao clássico  Feitiço do Tempo  onde o personagem de Bill Murray fica preso no Dia da Marmota, revivendo o mesmo dia por várias vezes. Da mes

Mary e a Flor da Feiticeira (Meari to Majo no Hana, 2017)

  Mary e a Flor da Feiticeira  é um anime fascinante que carrega a qualidade e a estética do Studio Ghibli em cada traço, o detalhe é que não é um filme do Studio Ghibli. A premissa é simples e sem muita originalidade, porém eficaz. Conta a história de uma garotinha de 11 anos que ao fazer amizade com dois gatos, adquire um poder mágico e vive aventuras fantásticas. O filme apresenta personagens adoráveis com uma história fluida que prende a atenção já nos primeiros minutos. Os cenários impressionam por tantos detalhes. Em poucas palavras, é uma animação hipnotizante. Para conhecer o filme acesse o  IMDb

Amor ou Paixão

 Paixão é pele, é atração, é fogo que queima o corpo. Amor é química, é o encaixe perfeito dos lábios, é o (re)encontro de almas. A paixão aprisiona na gaiola da desconfiança, o amor consegue destrancar todas as celas do coração. Quando estamos apaixonados queremos ser o mundo de alguém. Quando estamos amando queremos dar o mundo a este alguém. A paixão nos tira o chão com um simples atraso, ficamos obcecados quando não recebemos uma ligação. O amor nos dá asas e nos transporta para um universo de sensações indescritíveis. O amor nos faz inteiros. Irradiamos raios luminosos e transbordamos felicidade. (Scheila F. Scisloski) Artista Diana Pedott

Trem Noturno para Lisboa (Night Train to Lisbon, 2013)

  Trem Noturno para Lisboa é um thriller romântico carregado de poesia. Conta a história de o professor suíço que ao ajudar uma mulher desconhecida, volta a se reconectar consigo mesmo. O filme todo é sobre encontros e desencontros na encantadora cidade de Lisboa.  A trama vai se movendo entre o passado e o presente, e vai acrescentando camadas hipnotizantes sobre a arte de viver. Ao longo do filme, o professor vai lendo trechos do livro, dando ares poéticos em grande parte das cenas. É um 'tapa na cara' e dois 'socos no estômago' para quem re-vive a história dos outros numa tentativa desesperada de esconder sua própria insegurança. Para conhecer o filme acesse o  IMDb " A vaidade é uma forma ignorada de estupidez. " Jeremy Irons

A Casa Do Medo (The Intruders, 2015)

  A Casa Do Medo é um suspense canadense que não traz nenhuma originalidade. Conta a história de uma garota problemática com histórico de esquizofrenia, que ao conhecer a vizinha, começa a suspeitar que sua nova casa esconde segredos sombrios, mas ninguém acredita nela.  Nota-se que o enredo é recheado de clichês e a previsibilidade permeia toda a trama. Os personagens também não ajudam a salvar o filme do desastre, pois além de estereotipados, não possuem nenhum traço de carisma. Embora tente ser tenso,  A Casa Do Medo acaba sendo mais um suspense monótono como tantos outros lançados todos os anos. Para conhecer o filme acesse o  IMDb Miranda Cosgrove

Lua de Mel Inusitada (Honeymoonish, 2024)

  Lua de Mel Inusitada é uma típica comédia romântica com o diferencial de ser produzida no Kuwait. O enredo não é original, conta a história de um casal - interpretados por Nour Al Ghandour e Mahmoud Boushahri, que se casam por interesses individuais e com a convivência se apaixonam, mas um mistério impede que o casamento seja consumado. Os clichês estão por todo lugar e a previsibilidade permeia a trama, ainda assim é uma romcom divertida, com paisagens paradisíacas e boas atuações. Recomendo para quem busca por um filme leve apenas para passar o tempo. Para conhecer o filme acesse o  IMDb  por Nour Al Ghandour e Mahmoud Boushahri